Conecte-se conosco

Brasil

Após caso em Porto Alegre, nova exposição é acusada de incitação à pedofilia em SP

Publicado

em

Após a polêmica envolvendo a exposição “Queermuseu”, em Porto Alegre (clique aqui), mais uma performance artística foi acusada de incitação à pedofilia no país, desta vez em São Paulo. O caso aconteceu durante a performance “La Bête”, realizada pelo coreógrafo carioca Wagner Schwartz, na abertura do 35º Panorama da Arte Brasileira no Museu de Arte Moderna (MAM).  Na ocasião, o artista aparece nu e pode ser tocado pela plateia. A onda de protestos na internet se deu após a divulgação de um vídeo no qual uma criança aparece entre o público e interage com o homem, tocando em sua perna e sua mão. “Isso é arte, tão ficando doido, cadeia pra esses loucos”, diz um internauta. “Cadeia pra mãe que levou a filha, cadeia pra todos que estavam na sala e muita porrada nesses vagabundos, crime é crime seus covardes”, protesta outro.

Em decorrência das críticas, o MAM se posicionou por meio de um comunicado: “É importante ressaltar que o Museu tem a prática de sinalizar aos visitantes qualquer tema sensível à restrição de público. Neste sentido, a sala estava devidamente sinalizada sobre o teor da apresentação, incluindo a nudez artística. O trabalho não tem conteúdo erótico e trata-se de uma leitura interpretativa da obra Bicho, de Lygia Clark, artista historicamente reconhecida pelas suas proposições artísticas interativas”, pontuou, informando ainda que “o material apresentado nas plataformas digitais omite a informação de que a criança que aparece no vídeo estava acompanhada de sua mãe durante a abertura da exposição” e que, portanto, as acusações “denotam que as referências à inadequação da situação são fora de contexto”. No site do artista, a performance é descrita como: “Schwartz manipula uma réplica de plástico de uma das esculturas da série Bichos (1960), de Lygia Clark. O objeto permite a articulação das diferentes partes do seu corpo através de suas dobradiças. O público será convidado a participar”.

Veja o vídeo que gerou a onda de protestos:

Fonte:BN

Continue Lendo
Clique para comentar

Brasil

Eleição de 2020 pode ser cancelada e mandatos alongados até 2022

Publicado

em


Foto: Relator da CCJ.

Caso a regra passe a valer, as eleições de 2020 serão canceladas e os prefeitos e vereadores terão seus mandatos alongados até 2022. Valtenir Pereira é relator da CCJ e deu parecer favorável à medida.

Relator na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados, deputado federal Valtenir Pereira (MDB), emitiu na última quinta-feira (16) parecer favorável à PEC 376, de 2009, de autoria do deputado federal Ernandes Amorim (PR), que trata sobre o período de vigência de mandatos políticos.

A medida visa alinhamento dos mandatos políticos de gestores de estados e municípios. Nesse caso os cargos municipais passam a ser disputados juntos com os estaduais e federais. Caso a regra passe a valer, as eleições de 2020 serão canceladas e os prefeitos e vereadores terão seus mandatos alongados até 2022.

A mobilização política é para que a medida seja aprovada esse ano na Câmara Federal. Se a proposta for aprovada, prefeitos e vereadores serão beneficiados com mais dois anos de mandato. Mas políticos do Executivo não poderão disputar reeleição.

Além do alinhamento dos pleitos, a medida aumenta de 8 para 10 anos, o mandato de senador, estabelece o mandato de 5 anos para todos os cargos eletivos e põe fim à reeleição para prefeitos e governadores.

bonfimnoticias

Continue Lendo

Brasil

Deputados do PSL pediram dinheiro da sigla para financiar atos pró-governo

Publicado

em


Diego Nigro/JC Imagem/FolhapressLuciano Bivar, presidente do PSL

Um grupo de deputados do PSL se reuniu na segunda-feira 20 com o presidente da sigla, Luciano Bivar (PE), para pedir que os protestos convocados para este domingo 26 fossem financiados com dinheiro do partido. A quantia seria usada para arcar com os custos do aluguel de trios elétricos e para a confecção de itens como bonecos, faixas e bandeiras.

Não foram discutidos valores na reunião. Bivar ficou tentado em ceder aos apelos dos parlamentares e chegou a estudar uma transferência de verba para diretórios estaduais, que, então, fariam os repasses aos organizadores dos atos. Ele abandonou a ideia após ser convencido por assessores de que a decisão provocaria mais um desgaste para a sigla em Brasília.

Embora tenha considerado o pedido dos deputados, Bivar desde o início se mostrou contrário à convocação dos protestos. Na terça-feira 21, parlamentares do partido se reuniram em um hotel de Brasília para decidir qual seria o posicionamento da legenda. Por decisão da maioria, a bancada foi liberada a ir aos atos, mas a sigla evitou declarar apoio institucional à convocação.

Deputados estimam que 80% dos parlamentares eleitos pelo PSL devem comparecer aos protestos. Além de Bivar, descartaram presença nos atos a líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (SP), e Alexandre Frota (SP). O presidente Jair Bolsonaro cogitou ir a uma manifestação, mas também desistiu da ideia. Em reunião, ele instruiu os ministros a não se envolverem com os atos.

O líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (GO), disse a pessoas próximas que irá à manifestação, mas não fará nenhuma convocação por temer que ataques às instituições sejam a bandeira principal dos atos. Na terça, o deputado se envolveu em uma discussão com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que anunciou a outros líderes partidários o rompimento de relações pessoais com Vitor Hugo.

Convocados inicialmente para pressionar o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF), os protestos ganharam outras bandeiras para evitar constrangimentos ao governo Bolsonaro. Estão entre as novas reivindicações a defesa da reforma da Previdência e a aprovação do pacote anticrime do ministro da Justiça, Sergio Moro. Há, no entanto, a expectativa de que organizadores mantenham os ataques ao Centrão em pauta.

VEJA.com

Continue Lendo

Brasil

Ministério da Agricultura libera novos agrotóxicos

Publicado

em


Yasuyoshi Chiba/AFP/Getty Images Número de agrotóxicos liberados no Brasil vem aumentando nos últimos anos

O Ministério da Agricultura liberou o registro de 31 novos agrotóxicos no país. Entre os produtos, oito foram considerados extremamente tóxicos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A liberação dos defensivos agrícolas foi publicada nesta terça-feira (21/05) no Diário Oficial da União.

Alguns pedidos de liberação estavam em análise desde 2011. Com as últimas autorizações, nos primeiros meses de governo, o ministério da Agricultura já deferiu o registro de 169 agrotóxicos. Esses processos de autorização já tramitavam desde o ano passado.

Entre os 31 novos agrotóxicos aprovados nesta terça-feira, 29 são substâncias equivalentes a já liberadas no Brasil. Três delas são do glifosato, apontado como causador de câncer em julgamento na Califórnia.

O número de agrotóxicos liberados no Brasil vem aumentando nos últimos anos. Em 2015, foram 139 e, em 2018, 450. O processo de avaliação de novos produtos pode chegar a até cinco anos e passa por análises da Anvisa, Ibama e do próprio Ministério da Agricultura.

O governo afirma que a rapidez na liberação de novos registros foi alcançada graças a medidas desburocratizantes implementadas nos últimos anos.

Segundo a Associação Brasileira de Saúde Coletiva, o Brasil é o maior mercado de agrotóxicos do mundo. Entre 2009 e 2017, a quantidade de defensivos agrícolas comercializados no país quase dobrou, alcançando cerca de 540 mil toneladas.

Entre os produtos mais vendidos estão agrotóxicos que foram proibidos na União Europeia, devido à alta toxicidade, como o herbicida Paraquat e inseticida Acefato.

dw.com

Continue Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2019 - Criado por PrecisoCriar | www.precisocriar.com.br