dezembro 11, 2018 10:27 pm
Home / Noticias / Bolsonaro diz que brasileiro ‘não sabe’ o que é ditadura

Bolsonaro diz que brasileiro ‘não sabe’ o que é ditadura

Sérgio Lima Bolsonaro conversou com primeiro-ministro da Hungria por telefone.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse nesta 2ª feira que o brasileiro “não sabe” o que é ditadura. A declaração foi dada após conversa do militar por telefone com o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán.

“A Hungria é 1 país que sofreu muito com o comunismo no passado, tem 1 povo que sabe o que é ditadura. O povo brasileiro não sabe o que é ditadura aqui ainda. Não sabe o que é sofrer nas mãos dessas pessoas”, afirmou a jornalistas, em frente ao condomínio onde mora na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, ao voltar de uma agência bancária.

Bolsonaro disse que o primeiro-ministro húngaro o telefonou para parabenizá-lo por sua vitória nas eleições de outubro. Orbán também teria manifestado a intenção de comparecer à posse do presidente eleito no dia 1º de janeiro. “Ele está muito feliz com a nossa eleição”, disse.

Segundo Bolsonaro, os 2 conversaram ainda sobre a possibilidade de firmarem futuras parcerias entre os países.

Viktor Orbán é primeiro-ministro desde 2010 e integra o Fidesz, partido de extrema direita que tem, atualmente, a maior bancada de deputados no país europeu. Orbán é alvo de críticas principalmente pelo política anti-migratória.

Violações da Hungria

Em setembro, o Parlamento Europeu acionou pela 1ª vez o artigo 7º do Tratado da União Europeia e recomendou a instauração de 1 procedimento disciplinar contra a Hungria por violações graves a direitos de imigrantes e por ignorar regras democráticas. O artigo determina, como sanção máxima, a suspensão dos direitos de voto do Estado-membro.

Questionado sobre essa situação, Bolsonaro afirmou que a Europa está sofrendo com a imigração desordenada. O presidente eleito também criticou a Lei de Migração brasileira, aprovada em 2017.

“Eu fui contra essa última Lei de Migração. Ela transformou o Brasil em 1 país sem fronteiras. Não podemos permitir a entrada indiscriminada de quem quer vir para cá. Se essa lei continuar em vigor, qualquer um pode entrar aqui e chega aqui com mais direitos do que nós”, afirmou.

O presidente eleito também comentou o embate entre ONGs (Organizações não-governamentais) e o governo da Hungria, sinalizando como pretende abordar a questão durante seu mandato.

Em agosto, ONGs húngaras denunciaram que o governo de Orbán estaria deixando refugiados passarem fome para afugentá-los do país.

“Se são não-governamentais porque receber dinheiro do governo? [No Brasil] empresas públicas não vão financiar ONGs para fazer campanha contra os interesses nacionais”, disse.

Você pode Gostar de:

Prefeitura de Ponto Novo encaminha pacientes para realização de consultas e agendamento de cirurgias pelo Mutirão de Cirurgias de Catarata

A Prefeitura Municipal de Ponto Novo, por meio da Secretaria de Saúde está encaminhando pacientes …