julho 22, 2018 11:03 pm
Home / Eleições 2018 / Ciro não acredita em apoio de Lula a ele e revela desejo de ter mulher como vice na chapa

Ciro não acredita em apoio de Lula a ele e revela desejo de ter mulher como vice na chapa

Com uma bota ortopédica, o pré-candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, recebeu o Bahia Notícias para uma entrevista exclusiva nesta segunda-feira (2), logo após sua passagem-relâmpago pelo tradicional desfile em comemoração à Independência da Bahia, em Salvador. Com dificuldades para descer as escadas do apartamento onde ficou hospedado, no Corredor da Vitória, o pedetista veio ao encontro da reportagem para uma conversa que durou 41 minutos. Quando questionado sobre o que provocou aquela entorse no seu tornozelo, ele respondeu, de forma bem-humorada. “Fui tentar ajudar o Neymar e aconteceu isso”, brincou para, depois, contar que a lesão havia acontecido durante uma brincadeira com seu filho mais novo, o Gael, de 2 anos. À espera do jogo do Brasil, ainda arriscou um palpite para o duelo entre a Seleção Canarinho e o México: “Vai ser 3 a 0 para o Brasil”. Não acertou o placar, mas passou perto. Horas depois, o time comandando por Tite venceria o México por 2 a 0 e passaria para as quartas de final da Copa do Mundo. E foi nesse clima tranquilo, de celebração, tanto pelo Dois de Julho quanto participação do Brasil no Mundial, que aconteceu a entrevista. Desarmado do conhecido jeito mais destemperado, o presidenciável respondeu tudo com serenidade e sem exaltações. No entanto, não deixou de lado a também conhecida incontinência verbal, que, segundo levantamento do jornal O Globo, tornou-o alvo de quase cem processos movidos por aqueles atingidos pela sua metralhadora de “amabilidades”. Atacou um dos principais adversários na disputa pela Presidência da República, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL). “A nossa sorte é que o Bolsonaro é uma pessoa muito despreparada. Ele é uma caricatura, um personagem, que nem consegue interpretar com qualidade esse pensamento fascistoide que temos visto por aí”, criticou. Também foi duro contra o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB), autor de grande parte dessas ações e o presidente Michel Temer, a quem se referiu com alguém com “baixa qualidade moral”. Outro alvo de críticas feitas pelo pedetista foi o mercado financeiro, segundo o qual, na opinião dele, sofre de “usura” ao colocar, por exemplo, juros considerados exorbitantes para a população. Ainda durante a conversa, Ciro falou sobre sua relação com o PT, de quem vem recebendo ataques recorrentes de setores do partido. Se disse injustiçado por ter ajudado sempre ao partido. Também afirmou não ter esperança de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, caso não seja candidato, peça aos petistas para apoiá-lo. Ainda apontou vontade de ter uma mulher como candidata a vice na sua chapa. Na entrevista, também mostrou um lado menos brigão e mais conciliador. Mostrou-se disposto a pedir desculpas a quem ofendeu, para ter aliança com os partidos do chamado centrão. “Se for preciso pedir desculpa para ajudar o Brasil, mesmo eu estando certo, eu faço, não tem problema. Minha cabeça está no futuro do país”, destacou. E tocou, ainda, claro, na política baiana. Negou que uma possível aliança com o DEM nacional possa interferir no apoio que o PDT na Bahia dá a Rui Costa. “Nós vamos chegar ao melhor caminho”, respondeu, ao ser questionado se, no acordo com o partido, poderia haver uma condicionante de os pedetistas apoiarem a candidatura de Zé Ronaldo ao governo estadual. Clique aqui e leia a entrevista completa!

BN

Você pode Gostar de:

Convenções para definição de candidatos a presidente começam nesta sexta; veja lista

As convenções partidárias para definição dos candidatos a presidente da República nas eleições deste ano …