novembro 12, 2018 7:02 pm
Home / Noticia do Interior / Jaguarari / Com prazo de afastamento acabando prefeito eleito de jaguarari, Everton Rocha pode retornar ao cargo

Com prazo de afastamento acabando prefeito eleito de jaguarari, Everton Rocha pode retornar ao cargo

O ex-prefeito eleito de Jaguarari, Everton Rocha, está a poucos dias de superar a barreira do afastamento de 180 dias determinado pela Justiça, aproximando-se de seu retorno ao cargo de prefeito. Vale destacar que o prazo do afastamento termina no próximo mês de outubro com total cumprimento daquela decisão judicial, pelo ex-gestor. Todavia, existem, os processos de cassação de mandato, do ex-gestor, realizados pelo legislativo, em três CPP, os quais até o momento o Tribunal de Justiça da Bahia, não proferiu nenhuma decisão de mérito e que pode e deve ocorrer até este mês de outubro, pondo fim ao impasse administrativo do município de Jaguarari.

Lembrando que em todos os processos de cassação que foram realizados na câmara de vereadores, pairam denúncias de supostas esquemas, entre eles: de corrupção, compra de denunciante de forma direta e indireta, troca de favores ilegais entre presidente da câmara, vereadores e o então vice-prefeito à época, Fabrício D’Agostino. O Ministério Público local vem fazendo um trabalho diferenciando, de grande competência, já com diversas provas nos autos da investigação, muitas delas fornecidas pelo próprio denunciante, como foi o caso de Klynton Marceu, além de outras correlatas, em inquéritos civis, publicados pelo órgão, como a suposta locação  de caçamba de vereador pela prefeitura após a assunção do Vice ao cargo de prefeito, da mesma forma, denunciante de CPP, com contrato de banda para tocar no São João, denunciante pagando denunciante na porta do fórum local, transferência de cerca de 20 servidores do legislativo, para serem pagos pelo município, no primeiro dia de gestão do prefeito Fabrício D’Agostino, liberando despesa da folha do legislativo, algo em torno de 40.000 (quarenta mil reais) por mês, o que levantou fortíssimos indícios de “acórdão” ilegal, alvo de investigação, inclusive pelo MP. Um verdadeiro mar de lama, que cobre todos os procedimentos das CPP, que o Ministério Público, já sinaliza claramente pela descoberta de todo o suposto esquema fraudulento.

Nos últimos dias, o município, inclusive se habilitou nos autos do processo da ação civil pública, que afastou o prefeito eleito, com quase 10.000 votos, Everton Rocha, algo que já poderia ter feito há tempos atrás, representando tão somente um direito, ou melhor, um dever legal que já poderia ter sido exercido, desde os primeiros dias da instauração daquela ação, já que a causa versa sobre o município em tela, em nada representando qualquer vitória judicial, para qualquer das partes envolvidas, esclarecendo que a titularidade da ação é do Ministério Público, órgão que tem a competência funcional de conduzir a investigação e colheita de provas dos autos.

Nesta ultima semana, foi publicado decisão onde os advogados de defesa do ex-prefeito Everton Rocha, visando a não duplicidade de recursos, de uma decisão da comarca local, solicitaram a desistência de um dos recursos, por já terem protocolado um novo recurso adequado e em processamento no próprio Tribunal de Justiça, que discute a mesma matéria, o que foi reconhecido e aceito pelo TJ – BA, em atendimento às alegações da própria defesa de Everton Rocha, estando aquele recurso aguardando a análise do mérito.

Agora com o iminente escoamento do prazo do afastamento de Everton Rocha, a população aguarda a decisão de mérito do TJ, sobre os referidos processos de cassação, para que a estabilidade volte a reinar no município e os envolvidos nos supostos esquemas naquela cassação, respondam na medida da gravidade de suas condutas que levaram o município a instabilidade administrativa, em vista de um interesse pessoal e supostamente escuso.

Nesse sentido, ao que se verifica vencido o prazo de afastamento do prefeito eleito Everton Rocha, que acontece agora no mês de outubro, uma reviravolta poderá acontecer com a decisão de mérito dos processos pelo Tribunal de Justiça. Lembrando que as investigações que estão sendo realizadas pelo Ministério Público local, já estão em fases avançadas e os envolvidos nos fatos certamente serão chamados para participar dos próximos capítulos no banco dos réus e verão de lá os novos rumos que o Tribunal de Justiça dará ao município.

Você pode Gostar de:

Senhor do Bonfim inicia mutirão de combate à leishmaniose

A Coordenação de Endemias em parceria com a Vigilância Sanitária com o plano de manter …