novembro 17, 2018 5:25 am
Home / Noticias / Com receio, partidos da oposição querem barrar PRB da coligação proporcional

Com receio, partidos da oposição querem barrar PRB da coligação proporcional

Partido comandado na Bahia pela deputada federal Tia Eron, o PRB tem sido preterido na base do prefeito ACM Neto (DEM) quando o assunto é coligação proporcional. O Bahia Notícias apurou que os partidos da oposição ao governador Rui Costa (PT) dispostos a fazer o chapão não querem coligar com a sigla da Igreja Universal, tanto por receio do potencial eleitoral dos seus candidatos a deputados federais quanto por rejeição à ideia de fazer escada à legenda. De acordo com informações obtidas pelo portal, confirmadas por um nome muito próximo ao prefeito de Salvador e que acompanha as negociações, o PRB tem atualmente três candidatos com potencial para conseguir cadeiras na Câmara dos Deputados. São os casos da própria Tia Eron, Márcio Marinho – esses concorrendo à reeleição – e o ex-chefe de gabinete de Neto, João Roma, disputando pela primeira vez, com a bênção não só da igreja, mas também do democrata. O trio, segundo as contas eleitorais feitas pela oposição, deve receber, cada um, mais de 100 mil votos. No entanto, essa votação individual seria capaz de eleger, pela legenda, apenas dois deles. A estimativa é que, para que os três obtenham vagas na Câmara, necessitem de cerca de 160 mil votos. Assim, a quantidade de sufrágios que fica sobrando nessa conta viria, justamente da coligação. No entanto, há um receio de que os outros candidatos a deputado federal lançados pela legenda, que serviriam como gordura eleitoral para inflar a quantidade de votos da proporcional, acabem retirando vaga de deputados de outros partidos já dados como eleitos. A ideia é de que, como eles teriam votos da igreja, seus potenciais eleitorais crescem. A questão toda se resume dessa forma: as outras siglas acabariam servindo de trampolim para o PRB, algo que eles não querem. O BN apurou também que essa situação envolvendo a proporcional foi um dos fatores que impediu o partido de fugir para a base do governador Rui Costa. Lá, a ideia de acontecer o mesmo que pode receiam os integrantes do grupo de Neto não foi bem aceita. Em entrevista ao Bahia Notícias, Tia Eron rechaçou a iniciativa daqueles que querem barrar a legenda a proporcional. “É um mito perverso que se dá muito grande. O PRB sempre teve duas vagas de mandato. Quem diz uma coisa dessas não quer ver o PRB crescer”, rebateu.

Você pode Gostar de:

Grande quantidade de poços artesianos pode deixar interior de Campo Formoso sem água

O biólogo Rangel Carvalho de Campo Formoso, está realizando um estudo sobre os recursos hídricos …