Conecte-se conosco

Noticias do Mundo

Deputados argentinos aprovam legalização do aborto; projeto vai para o Senado

Publicado

em

Manifestantes favoráveis à legalização do aborto protestam nesta quinta-feira (14) em frente ao prédio do Congresso argentino, em Buenos Aires (Foto: Jorge Saenz/AP Photo)

A Câmara de Deputados da Argentina aprovou nesta quinta-feira (14) um projeto de lei que prevê a legalização do aborto. O projeto passará agora ao Senado. Eram necessários 128 votos para aprovar ou vetar o projeto. Ele foi aprovado por 129 votos a favor e 125 contra. Também houve 1 abstenção.

O projeto de lei permite o aborto livre até a 14ª semana de gestação. Atualmente na Argentina o aborto é permitido apenas em caso de estupro ou risco para a vida da mulher.

O debate no plenário da Câmara durou mais de 20 horas, em um ambiente de nervosismo pela imprevisibilidade do resultado. Os deputados estavam divididos. Minutos antes do início da sessão, alguns deputados indecisos anunciaram suas posições. Ainda assim, não ficou clara a postura da maioria: dos 275 deputados, 122 haviam se declarado contra e 117 a favor.

Do lado de fora do prédio do Congresso em Buenos Aires, manifestantes pró e contra a legalização do aborto faziam vigília.

Manifestantes contra a legalização do aborto na Argentina protestam em Buenos Aires (Foto: Eitan Abramovich / AFP)

Essa foi a primeira vez que o tema foi debatido no parlamento. Embora tenha se declarado “a favor da vida”, o próprio presidente Mauricio Macri encorajou o debate, depois de sete tentativas fracassadas em governos anteriores.

Ainda não se sabe quando o projeto será debatido no Senado. Segundo o jornal “Clarín”, deve demorar uma semana até que o projeto ganhe status parlamentar no Senado. A Câmara alta poderia decidir por um “tratamento express” de oito dias, mas não é o que deve acontecer, segundo o jornal. O projeto pode ser votado apenas em setembro.

Continue Lendo
Clique para comentar

Noticias do Mundo

Rede mundial de computadores (o www!) completa 30 anos

Publicado

em


© Fornecido por Abril Comunicações S.A. Tim Berners-Lee, o criador do protocolo WWW, trabalhava no CERN, a Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear, na Suíça.

Lembra quando para “entrar” na internet era preciso escrever um endereço que começava com www? Essas três letrinhas, que significam world wide web, ou a rede mundial de computadores, foram grandes responsáveis por podermos aproveitar o melhor da internet.

Hoje em dia a gente nem pensa mais nisso: o endereço desse site, pode ir conferir ali em cima, não tem mais www. E mesmo o conceito de “entrar na internet” parece antigo, já que agora estamos conectados todo o tempo, com nossos celulares e outros aparelhos.

Foi em 1989 que Tim Berners-Lee, um cientista inglês, criou a tal rede mundial. A internet, mesmo, já existia, mas era pouco acessível às pessoas comuns. Ao criar o www, um protocolo que permitia que navegadores conseguissem acessar informações em websites, tudo ficou mais fácil. E como esses sites podiam linkar uns aos outros, estava criada a rede.

Trinta anos depois a internet cresceu e amadureceu, e hoje em dia outros programas, como os aplicativos de celular, por exemplo, utilizam outros protocolos. Mas o www resiste – mesmo tendo sumido dos endereços dos sites, esse ambiente por onde transitamos usando os navegadores como Google Chrome, Firefox, Safari ou Microsoft Edge ainda é a rede mundial de computadores inventada por Tim Berners-Lee.

A rede mundial de computadores virou Doodle

Para celebrar os 30 anos do www, o Google preparou uma homenagem em forma de Doodle, na página inicial do site nesta terça-feira (12). Com uma ilustração que pode despertar sentimentos nostálgicos nos mais velhos, um computadorzinho como os de antigamente, conectado à parede, carrega devagarzinho um globo terrestre, mostrando como, com a rede mundial de computadores, o mundo ficou mais acessível para todos nós.

M de Mulher

Continue Lendo

Noticias do Mundo

Guaidó pedirá ao Parlamento declaração de ‘estado de alerta’ na Venezuela

Publicado

em


© Sérgio Lima O autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, durante visita ao Brasil

autodeclarado presidente interino da Venezuela e líder da oposição, Juan Guaidó, anunciou neste domingo (10.mar.2019) que pedirá ao Parlamento declaração de “estado de alerta” na Venezuela. O pedido será realizado na 2ª feira (11.mar).

O país sofre 1 apagão desde 5ª feira (7.mar). O objetivo da medida, segundo Guaidó, é pedir ajuda internacional.

“Para o dia de amanhã convocamos uma sessão de emergência extraordinária de urgência do Parlamento Nacional para tomar ações imediatas em relação à ajuda humanitária necessária”, disse Guaidó em entrevista coletiva.

A apagão sem precedentes já deixou 17 pacientes renais mortos. É a pior crise já registrada no país de 30 milhões de habitantes. O blackout teve início às 16h53 locais (17h53 em Brasília).

A crise energética se transformou em 1 novo atrito entre o presidente Nicolás Maduro e Juan Guaidó. No sábado (9.mar), opositores e apoiadores do regime de Nicolás Maduro foram às ruas de Caracas para protestar.

As manifestações foram inicialmente convocadas por Juan Guaidó, que chamou o povo a “expressar maciçamente nas ruas contra o regime usurpeante, corrupto e incapaz”. Maduro e seus apoiadores reagiram.

Poder360

Continue Lendo

Noticias do Mundo

Caixas-pretas de avião que caiu na Etiópia são recuperadas

Publicado

em


Foto: Divulgação

A companhia Ethiopian Arlines anunciou nesta segunda-feira (11) que foram recuperadas as duas caixas-pretas de seu Boeing 737 MAX 8 que caiu no domingo (10) ao sudeste de Adis Abeba. O acidente deixou 157 mortos.

Uma caixa-preta guarda os dados técnicos do voo e a outra registra as conversas da cabine. O voo ET 302 deixou o aeroporto de Bole, em Adis Abeba, às 8h38 de domingo, horário local, rumo a Nairóbi (Quênia). O avião perdeu contato com a torre de controle seis minutos depois, às 8h44. O piloto relatou dificuldades e pediu permissão para retornar.

“Dados da rede Flightradar24 ADS-B mostram que a velocidade vertical ficou instável depois da decolagem”, informou a organização de rastreamento de voos baseada na Suécia em seu Twitter.

O avião caiu perto da cidade de Bishoftu, a 62 quilômetros a sudeste da capital da Etiópia, Adis Abeba. Não houve sobreviventes. Havia 149 passageiros e oito tripulantes a bordo. Cidadãos de 35 nacionalidades se encontravam na aeronave, entre os quais 32 quenianos, 18 canadenses, nove etíopes, oito italianos, oito norte-americanos e oito chineses.

A aeronave era um Boeing 737 MAX 8, o mesmo avião que caiu na Indonésia em outubro de 2018, matando 189 pessoas, no que foi o primeiro acidente com este modelo. O Boeing 737 MAX 8 tem 210 assentos. É a última versão das aeronaves da família 737, o avião comercial mais vendido do mundo e um dos mais confiáveis da indústria. Em relação a modelos anteriores, o MAX 8 usa o combustível de maneira mais eficiente e faz menos barulho. Seu primeiro voo foi em janeiro de 2016.

Até janeiro deste ano, o site da fabricante registrava mais de 5.000 pedidos do modelo, realizados por companhias aéreas como Air China e Aerolineas Argentinas.Trezentos e cinquenta aeronaves já foram entregues. O MAX 8 é usado sobretudo para voos de curta e média distância. 

No Brasil, apenas a Gol utiliza esse modelo e possui sete unidades em operação. A empresa encomendou ao todo 135 aeronaves do modelo, com entrega prevista até 2028. Nesta segunda (11), China e Indonésia ordenaram às empresas aéreas que deixem de voar com este modelo de aeronave até segunda ordem. 

BN

Continue Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2019 - Criado por PrecisoCriar | www.precisocriar.com.br