Conecte-se conosco

Noticias

Haddad eleva tom na internet com ironias e referências a ‘Bozo’

Publicado

em

© REUTERS Haddad eleva tom na internet com ironias e referências a ‘Bozo’

Jair Bolsonaro, não. Para Fernando Haddad, agora é Bozo, alguém com “bozoideias” péssimas para o Brasil.

O apelido que caiu nas graças da esquerda para se referir ao presidente do Brasil incorpora-se agora ao vocabulário de seu adversário petista na eleição –e dá uma pista do papel que Haddad está disposto a prestar como líder de oposição ao novo governo.

Na quarta-feira (9), o professor acadêmico que no pleito costumava se dirigir ao rival como “deputado Jair Bolsonaro” o chamou de Bozo e ironizou a anulação de uma multa ambiental que o Ibama tascara em 2012 no agora presidente (disse que havia sido “aplicada por fiscal comunista”).

Na véspera, Haddad deu algumas dicas para seu 1,14 milhão de seguidores no Twitter.

“Antes de defender uma bozoideia, espere 24h. Poupa o esforço de defender o recuo”, o petista escreveu ao comentar a possibilidade (logo descartada) de o Brasil abrigar uma base militar americana.

Investiu contra dois ministros. Primeiro replicou um editorial da Folha de S.Paulo sobre Ricardo Vélez Rodríguez: “Cara (alô Rio), agora é a Folha, atacando o tosco ministro da Educação. Onde isso vai parar?”.

Depois atacou o titular da Casa Civil. “Os truques do baixo clero: Onyx usou notas em série de amigo para receber verba de gabinete. Nova tattoo sendo providenciada.”

Em dezembro, acuado por denúncias de caixa dois, Onyx Lorenzoni tatuou no braço um versículo bíblico para que ele “nunca mais erre”, declarou então: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”.

Outra alfinetada de Haddad, desta vez no escritor Olavo de Carvalho. “Trailer do próximo filme do Woody Allen. Imperdível!”, disse sobre um vídeo em que o ideólogo do bolsonarismo afirma não ser possível provar que a Terra se mova em torno do Sol ou que a Teoria da Relatividade de Albert Einstein seja válida.

A troca do tom professoral antes tão associado a Haddad por um discurso mais combativo não é acidental. O petista avalia que o momento é de partir para o ataque e vem colhendo frutos virtuais, com maior engajamento de seus seguidores em redes sociais.

Internamente, sua equipe compara seu caso com o do governador João Doria (PSDB), mais comedido no “modo sabichão” que desempenhou no último pleito.

No Facebook, ele tem quase seis milhões de pessoas que curtem ou seguem seu perfil. Haddad, pouco menos de quatro milhões. O petista, contudo, tem amealhado uma média bem superior de “likes”, sobretudo em postagens mais ferinas contra Bolsonaro. Já o tucano, com postura mais institucional, repercute menos.

No sábado (5), Haddad se reuniu com o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, e usou de exemplo a conduta que adotou após a derrota para Doria na eleição de 2016 para a Prefeitura de São Paulo.

Por um semestre, poupou o tucano de críticas, ao menos publicamente, até por admitir que, naquele período, Doria era respeitoso com ele e sua família. Acha que não pode repetir o mesmo modus operandi com Bolsonaro.

“Achei ele animado, disposto a fazer oposição forte já agora, como mostra sua presença nas redes”, diz Medeiros.

Haddad cuida da própria conta do Twitter, com ajuda do assessor pessoal Frederico Assis, o Fred, formado em relações internacionais da USP –estão juntos desde 2012, quando o petista foi eleito prefeito paulistano e se cercou de um grupo de jovens que causou ciumeira no PT (o que lhes rendeu o apelido “Pokemóns do Haddad”).

O ex-prefeito parece cada vez mais à vontade em elevar os decibéis contra sua nêmesis eleitoral. Tem dito que o presidente é desrespeitoso com ele. Guarda mágoas de vários ataques frontais contra sua pessoa, que teriam extrapolado o esperado debate político.

Como quando Bolsonaro, por exemplo, disse que “quem conversa com poste é bêbado” após o petista se dispor a ir até numa enfermaria para debater com ele, que se recuperava de um esfaqueamento.

Ou quando o rival tuitou que Haddad era “marmita de corrupto preso”, por suas visitas a Lula na prisão. A expressão “marmita de bandido” é usada para definir uma mulher que namora presos.

Por essas e outras que o petista concluiu que Bolsonaro não se dá ao respeito e, para enfrentá-lo, é cair na jugular.

A faceta “pistola”, gíria para ficar bravo com algo, eletrizou seus seguidores, mas também despertou críticas pela adoção de uma linguagem que ecoa em bolhas.

“Um típico acadêmico de classe média que não faz ideia do que é militância”, tuitou um seguidor. Fora da internet, o ex-presidenciável costura a imagem de um líder da esquerda global. Nos últimos meses, esteve com ícones progressistas como o ex-presidente uruguaio José Pepe Mujica e Bernie Sanders, que em 2016 perdeu para Hillary Clinton o posto de candidato democrata (e ela, para Donald Trump o de presidente dos Estados Unidos).

Haddad tem no horizonte agendas com forças partidárias da esquerda europeia (o Podemos espanhol e o Geringonça português) e o mexicano Andrés Manuel López Obrador, exceção esquerdista na leva de novos mandatários da América Latina.

As viagens a Curitiba para visitar Lula na cadeia, comuns em 2018, ainda não se repetiram neste ano. Haddad não sabe quando voltará à cidade.

Com informações da Folhapress.

Continue Lendo
Clique para comentar

Eleições 2020

Justiça Eleitoral indefere candidaturas em Caldeirão Grande, Saúde e Pindobaçu

Publicado

em

A Justiça Eleitoral indeferiu sete pedidos de registro de candidaturas nas cidades de Caldeirão Grande, Saúde e Pindobaçu.  As impugnações foram apresentadas pelo Ministério Público Eleitoral (MPE). Segundo o promotor de Justiça Pablo Almeida, todas as candidaturas apresentavam irregularidades.

O candidato a prefeito do Município de Caldeirão Grande, o ex-prefeito João Gama Neto teve o registro impugnado pelo juiz Rodolfo Barros por encontrar-se inelegível. Ele teve as contas rejeitadas nos últimos oito anos pela Câmara de Vereadores, que acompanhou as recomendações contidas em pareceres técnicos do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia (TCM) referentes aos anos de 2015 e 2016.

No município de Saúde, por solicitação do MPE, foi indeferida a candidatura da ex-prefeita Marilene Pereira Rocha ao cargo de vice-prefeita. Segundo o promotor de Justiça, ela também se encontra inelegível por ter tido contas rejeitadas nos últimos oito anos pelo Tribunal de Contas do Estado da Bahia (TCE), por conta de irregularidades na prestação de contas referente ao Convênio nº 023/2004, firmado entre a Secretaria do Trabalho e Ação Social (Setras) e o Município de Saúde. “A Corte de Contas reconheceu que a impugnada recebeu os valores do convênio e não comprovou sua utilização em estrita obediência das normas pertinentes, caracterizando irregularidade insanável”, registrou Pablo Almeida.

Já o candidato ao cargo de vereador em Saúde, Paulo Pereira da Silva teve seu registro indeferido por não possuir filiação partidária pelo período mínimo estabelecido na legislação.  Em Pindobaçu, foram impugnadas as candidaturas dos concorrentes ao cargo de vereador Miralva Sena, por a ausência de quitação eleitoral por omissão na prestação de contas da campanha relativa às eleições 2008; Lindalva Cruz, ausência de comprovação de filiação partidária até o dia 04 de abril de 2020 no partido requerente, já que nos registros eleitorais ela encontra-se devidamente filiada a outro partido; Agnelton Marcelo Silva, por não ter sido o candidato escolhido em convenção partidária; e Nilson José Liberal, ausência de quitação eleitoral da candidata por omissão na prestação de contas da campanha relativa às eleições de 2016.

Bahia Notícias

Continue Lendo

Eleições 2020

Eleições Municipais: Todos os eleitores poderão votar das 7h às 10h

Publicado

em

O Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) esclareceu que, nas eleições municipais de 2020, todos os eleitores poderão votar no horário das 7h às 10h. A votação acontecerá no dia 15 de novembro.

Segundo o tribunal, a Justiça Eleitoral indicou que as pessoas nessa faixa etária comparecessem à votação neste horário preferencialmente, mas não há exclusividade.

Este ano, a votação começará uma hora mais cedo. De acordo com a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o objetivo é evitar aglomerações em decorrência da pandemia da covid-19.

Espaço Aberto

Continue Lendo

Noticias

Candidato a vereador é preso com R$ 15 mil na cueca no interior de Sergipe

Publicado

em

Um candidato a vereador de Carira, no semiárido de Sergipe, foi preso ontem com R$ 15.300 em uma sacola escondida na cueca. Edilvan Messias dos Santos, o Vanzinho de Altos Verdes (PSD), foi detido em flagrante por policiais militares que investigavam uma denúncia de compra de votos no povoado de Altos Verdes, zona rural do município.

O PSD anunciou que investigará o caso. O UOL procurou a defesa do candidato, mas não obteve resposta.

Segundo a PM, o flagrante foi realizado depois que a equipe da 2ª Companhia Militar foi informada, por uma denúncia pelo número 190, que pessoas circulavam em dois veículos no povoado sob a suspeita de comprar votos.

Os policiais foram ao local e, após buscas na região, localizaram os suspeitos por volta das 14h30. Durante a abordagem, os policiais encontraram material de campanha dentro de um dos carros, que estava ocupado por um casal.

Ainda de acordo com a PM, ao ser questionado sobre a procedência do dinheiro, Vanzinho de Altos Verdes informou que havia recebido um pagamento na cidade de Itabaiana (SE) e pretendia usar o valor para comprar um veículo.

O suspeito foi apresentado na Delegacia de Carira, onde foi aberto um inquérito para investigar o caso. O PSD disse que vai apurar o caso e avaliar o que fará com o candidato. A reportagem do UOL tenta contato com a defesa do candidato.

A Secretaria de Segurança Pública do Sergipe informou ainda foi instaurado inquérito para apurar o caso, e que o candidato vai responder em liberdade. A Justiça Eleitoral já foi comunicada do caso.

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

Continue Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2019 - Criado por PrecisoCriar | www.precisocriar.com.br