Conecte-se conosco

Noticias

Pedras no calçamento incomodam moradores da Rua Dom Pedro II

Publicado

em

Moradores da Rua Dom Pedro ll , transversais com Francisco Simas e tenente Saturnino. Reclamam que não tem que fique na porta de suas residências pois as pedras voa nas pessoas, até pneus de veículos já furaram, moradores estão revoltados, pois existe no local acesso à escola e crianças transitam no local.

Reação do Bloog do Cleber Vieira

Continue Lendo
Clique para comentar

Campo Formoso

1/3 dos casos de Covid do Piemonte Norte do Itapicuru estão concentrados em Campo Formoso

Publicado

em

Foto: Leandro Daniel

A prefeitura de Campo Formoso (BA) contabilizou 322 casos de contágios por Covid-19 no município na noite desta segunda-feira (13). Ao todo, 150 pessoas conseguiram se recuperar, porém três delas não resistiram e foram a óbito. 16 suspeitas aguardam resultados de exames do Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen).

Baseado nas informações divulgadas pelas secretárias de saúde dos nove municípios que compõem o Território do Piemonte Norte do Itapicuru até o final da noite desta segunda-feira (13), dos 964 casos confirmados na região, Campo Formoso (BA) concentra 1/3 das contaminações, o que corresponde a 33,4%.

Ainda de acordo com os dados apresentados, Senhor do Bonfim tinha o índice mais elevado nas últimas semanas, mas ficou em segundo lugar com 185 casos. Em ordem crescente estão Filadélfia (132), Jaguarari (104), Caldeirão Grande (58), Pindobaçu (52) Ponto Novo (47), Antônio Gonçalves (40), Andorinha (24).

Em relação a óbitos, Campo Formoso também tem o maior índice, são 3. Em seguida estão Senhor do Bonfim (02), Filadélfia (02), Pindobaçu (02), Andorinha (01), Jaguarari (01), Caldeirão Grande (01), Ponto Novo (01). Antônio Gonçalves não tem registro.1 de 9 

Toque de recolher

Como forma de conter a disseminação da doença em Campo Formoso, a prefeitura e a Polícia Militar começaram a cumprir o decreto do Governo da Bahia hoje (13), que determina o recolhimento da população entre às 18h e 05h, até o próximo domingo (19).

blogdowalterley

Continue Lendo

Jaguarari

Prefeitura de Jaguarari leva atendimento médico à zona rural com o Projeto Saúde nas Comunidades

Publicado

em

Visando garantir acesso aos atendimentos e procedimentos médicos aos moradores da zona rural do município, a prefeitura de Jaguarari através da Secretaria de Saúde iniciou na última semana o Projeto Saúde nas Comunidades no distrito de Gameleira. Nos dias: 06, 07 e 09, segunda, terça e quinta-feira respectivamente, foram disponibilizados exames de: ultrassonografia, eletrocardiograma e exames laboratoriais. Esse Projeto visa levar uma extensão dos serviços de saúde que seriam realizados na sede e que devido à pandemia causou o isolamento de seus moradores em suas localidades.

“Após analisar a atual situação do município e o trabalho preventivo e de combate realizado contra a Covid-19, e constatarmos que está dentro do esperado, decidimos que esses serviços seriam retomados gradativamente, seguindo todos os protocolos de saúde estabelecidos. Com esse intuito a administração municipal estará levando as especialidades e a realização de exames para as próprias comunidades, evitando que seus moradores precisem se deslocar até a sede do município. Esse projeto será estendido a todas as localidades. Já nesta segunda-feira (13), o projeto está na localidade de Jacunã disponibilizando serviços de saúde aos seus moradores”, destacou o secretário de Saúde – Rodrigo Cruz.

ASCOM – Prefeitura de Jaguarari

Continue Lendo

Economia

Bolsonaro autoriza suspensão de contratos de trabalho por mais 60 dias

Publicado

em

© Reinaldo Canato/VEJA.com

O presidente Jair Bolsonaro autorizou a ampliação do prazo para redução de até 70% na jornada e salário e suspensão de contratos de trabalho, medidas que fazem parte do BEM, programa do governo federal para mitigar o fechamento de postos de trabalho com carteira assinada durante a pandemia do novo coronavírus.

De acordo com decreto publicado nesta terça-feira, 14, fica autorizado que empresas possam reduzir por mais 30 dias a jornada e o salário, completando quatro meses (120 dias) desde que a medida foi anunciada. Para a suspensão dos contratos, o prazo foi ampliado em 60 dias, e também passa a completar quatro meses (120 dias). Até o momento, 12,9 milhões de acordos para alteração de contratos foram assinados, segundo o Ministério da Economia.

A permissão para mudança dos contratos e o pagamento de benefício emergencial para trabalhadores que sofreram com a mudança está vigente desde abril, com a publicação da medida provisória 936. O aumento do prazo do BEM, como é chamado o programa, era considerado fundamental para dar mais fôlego às empresas durante a retomada gradual em meio à pandemia. A permissão para ampliação do programa foi dada pelo Legislativo, quando aprovou a MP. Com isso, Bolsonaro pode dilatar o BEM via decreto, conforme feito nesta terça-feira.Continua após a publicidade

Na avaliação do Ministério da Economia, o programa é um sucesso e ajudou a segurar demissões durante a fase mais aguda da crise. A ampliação do prazo é tida como uma ferramenta para preservar empregos durante a retomada. Tendo ferramentas para não demitir, os empresários ganham fôlego para estudar qual o tamanho necessário da mão de obra, enquanto o governo tem mais tempo para traçar planos de retomada do emprego, fundamentais para o momento pós-crise.

Segundo o decreto, a suspensão do contrato de trabalho poderá ser efetuada de forma fracionada, em períodos sucessivos ou intercalados, desde que esses períodos sejam iguais ou superiores a 10 dias e que não seja excedido o prazo de 120 dias. O trabalhador que tiver o contrato suspenso recebe do governo o equivalente ao que teria direito do seguro-desemprego (entre 1.045 reais e 1.813 reais), além de ajuda compensatória da empresa, caso o empregador tenha faturamento superior a 4,8 milhões de reais.

Já na redução de salário e jornada de trabalho, que pode ser de 25%, 50% ou 70%, o trabalhador recebe um percentual do que teria direito do seguro-desemprego, conforme o que foi reduzido do seu salário. Caso a redução seja de 25%, por exemplo, a empresa irá pagar 75% do salário e o governo bancará o benefício equivalente a 25% do valor do seguro-desemprego que aquele trabalhador teria direito caso fosse demitido. Além do benefício, tanto no caso da redução quanto no caso da suspensão de contrato, o trabalhador tem estabilidade de trabalho por período igual a alteração do contrato. A alteração do contrato de trabalho pode ser feita mediante a acordo individual entre empregador e empregado caso o trabalhador receba até três salários mínimos (3.135 reais) ou se tiver salário acima dos 12 mil reais e curso superior — o chamado hipersuficiente segundo a legislação trabalhista. Quem tem salário entre esses valores só pode ter o contrato reduzido ou suspenso após negociação coletiva com o sindicato que representa a categoria.

VEJA.com

Continue Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2019 - Criado por PrecisoCriar | www.precisocriar.com.br