janeiro 18, 2019 3:06 am
Home / Noticias / PSL articula estratégia ‘anti-Renan’ no Senado

PSL articula estratégia ‘anti-Renan’ no Senado

Foto: Pedro França/Agência Senado

Após declarar apoio à candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara dos Deputados, o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, tenta construir uma estratégia para evitar que Renan Calheiros (MDB-AL) volte a presidir o Senado. O emedebista, que apoiou Fernando Haddad (PT) na eleição presidencial, é considerado nome “hostil” ao novo governo por aliados de Bolsonaro. Renan tem o apoio de parte da bancada petista na Casa.

O governo precisará do apoio dos comandos da Câmara e do Senado para aprovar medidas como a reforma da Previdência.

O PSL articula a construção de um consenso entre os senadores que já se movimentam como pré-candidatos à presidência da Casa e fazem oposição a Renan. Nesta quinta-feira, 3, o presidente do partido, deputado eleito Luciano Bivar (PE), confirmou o nome do senador eleito Major Olímpio (SP) para a presidência do Senado. Líderes do PSL admitem, porém, que a candidatura é uma estratégia para valorizar o “passe” do partido de Bolsonaro na negociação por cargos na Mesa Diretora.

Ao Estadão/Broadcast, Olímpio admitiu que desistirá da disputa se um aliado se destacar como nome anti-Renan. “Já estava fazendo isso (tentando unificar candidaturas anti-Renan), tanto que estava conversando com as candidaturas colocadas e buscando um consenso. A única coisa que mudou é que eu passo a ser mais um desses (candidatos), mas procurando esse consenso”, disse. “Serei eu o intransigente em dizer que a minha candidatura tem de ser única e absoluta? De forma nenhuma.”

Desde dezembro, líderes do partido de Bolsonaro têm realizado encontros com senadores que pretendem disputar o pleito em fevereiro. Conversas foram feitas com Davi Alcolumbre (DEM-AP), Tasso Jereissati (PSDB-CE), Alvaro Dias (Podemos-PR) e Esperidião Amin (PP-SC). As negociações também devem chegar a Simone Tebet (MDB-MS), que, apesar de não ser candidata oficialmente, é vista como alternativa a Renan no MDB.

O senador alagoano age para assumir um quinto mandato na presidência da Casa. A necessidade de renovação na cúpula do Senado é um dos argumentos mais usados contra sua candidatura. Aliados de Bolsonaro acreditam que Renan, de volta ao posto, pode usar o cargo para pressionar o governo.

O PSL sabe que a candidatura de Olímpio não é a mais forte porque ele é novato na Casa – critério que costuma pesar na escolha do presidente. “O único jeito de vencer Renan é unir todos contra ele. Só pode haver um candidato, se não ele se beneficia”, disse a deputada eleita Joice Hasselmann (PSL-SP). “Se pulverizar, quem ganha é o Renan.”

Na avaliação do PSL, o apoio a Maia na Câmara teve como efeito o enfraquecimento da candidatura de Alcolumbre no Senado, já que ambos são do mesmo partido.

Votação

A nova legislatura tomará posse em fevereiro. Um fator determinante para a vitória de um grupo contrário a Renan será a possível votação aberta. Em 19 de dezembro, ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, concedeu liminar obrigando que a eleição para o próximo presidente da Casa seja aberta.

O partido Solidariedade recorreu ao STF para derrubar a decisão de Marco Aurélio sob o argumento da “harmonia entre os Poderes”. O pedido será analisado pelo presidente da Corte, ministro Dias Toffoli.

Assim como Câmara, o PSL deve buscar cargo relevante na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e em comissões econômicas, mas admite, nos bastidores, que será muito mais difícil garantir a presidência desses colegiados entre os senadores. / COLABORARAM RAFAEL MORAES MOURA e AMANDA PUPO.

Você pode Gostar de:

Ministro do Meio Ambiente fará ‘visitas-surpresa’ a ONGs que recebem dinheiro do governo

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou ao blog que montará um cronograma para fazer …