junho 18, 2018 6:37 am
Home / Noticias / SAÚDE: Colangite biliar primária atinge muitas mulheres de 35 a 65 anos, mas é pouco diagnosticada

SAÚDE: Colangite biliar primária atinge muitas mulheres de 35 a 65 anos, mas é pouco diagnosticada

Uma doença no fígado pouco conhecida, que geralmente afeta mulheres entre 35 e 65 anos, pode levar a sérias complicações se não diagnosticada a tempo. Esta doença gera fibrose (cicatrizes no fígado) e pode chegar até a cirrose hepática necessitando o transplante. Estamos falando da Colangite Biliar Primária (CBP), uma doença hepática autoimune caracterizada por destruição progressiva dos pequenos canais biliares presentes no fígado.

A falta do diagnóstico ou a demora para o tratamento da Colangite Biliar Primária pode ocasionar sérias lesões no fígado, fazendo com que o órgão perca sua função e caminhe para a falência completa. Esse processo leva, em média, um período de mais de uma década”, explica Dr. Raymundo Paraná, médico hepatologista, Professor Titular da Universidade Federal da Bahia, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Hepatologia (SBH) e presidente eleito da Associação Latino Americana para o estudo do Figado – ALEH.

A CBP tem sintomas muito comuns a outras doenças. Inicialmente, pode se expressar como fadiga crônica, algumas vezes confundida com depressão. Com a evolução, pode aparecer coceira no corpo, principalmente na palma das mãos e planta dos pés. Como os sintomas não são específicos, muitas vezes o paciente procura diversos médicos, mas o diagnóstico não é realizado tempestivamente. “A fadiga, que é a manifestação mais comum e mais precoce, ocorre em 80% dos pacientes, prejudicando a qualidade de vida e interferindo nas atividades diárias. Já a coceira é o segundo sintoma que mais ocorre, afetando 20% a 70% dos pacientes”, explica o especialista.

Os pacientes podem apresentar ainda depósitos de colesterol na pele e ao redor dos olhos (xantomas e xantelasmas), assim como enfraquecimento dos ossos (osteopenia e osteoporose).

Para detectar corretamente a doença, é necessário que o paciente, especialmente mulheres, realize dois exames de sangue específicos, mas bastante simples: níveis séricos da fosfatase alcalina e a Gama Glutamil Transferase. Estes exames alterados sugerem dificuldade do fluxo da bile.

Quando o médico suspeita de um processo biliar, pode obter ajuda ou referenciar a um hepatologista (especialista em doenças do figado). Exames como ultrassom, colangioressonância ajudam a afastar outras doenças biliares, enquanto que o anticorpo antimitocondria positivo, praticamente, confirma o diagnóstico de CBP.

O diagnóstico da doença nas fases iniciais é determinante para um melhor prognóstico, pois permite tratamento medicamentoso da doença e das suas complicações. Por isso é muito importante ficar atento aos sintomas e principalmente mulheres na faixa etária indicada”, finaliza.

*Informações para Imprensa: Fundamento RP
Fabiana Albuquerque – falbuquerque@fundamento.com.br – Fone: (11) 5095-3890
Carolina Alves – calves@fundamento.com.br – Fone: (11) 5095-3872

Você pode Gostar de:

Ampliação do pagamento do PIS/PASEP vai injetar mais de R$ 39 bilhões na economia

A previsão do Ministério do Planejamento é de que haja uma injeção de R$ 39,8 …