dezembro 11, 2018 2:12 am
Home / Noticias / Senhor do Bonfim é a segunda parada do projeto Caravana da Música

Senhor do Bonfim é a segunda parada do projeto Caravana da Música

Shows da banda Sertanília e da Pequeno Albert, além de oficina, compõem a programação do Cutural

Senhor do Bonfim é a segunda parada do projeto Caravana da Música, circuito de bandas baianas da capital e do interior que percorrem um total de 10 municípios apresentando shows e promovendo oficinas. Sertanília e a Pequeno Albert se apresentarão no dia 27 de outubro, às 20h, na Praça Nova do Congresso. Realizado pela Maré Projetos Culturais, com patrocínio da Vivo e Governo da Bahia, por meio do Fazcultura, programa de incentivo fiscal da Secretaria da Fazenda e da Secretaria de Cultura do Estado e apoio institucional da Prefeitura Municipal de Senhor do Bomfim, através da Secretaria de Cultura de Senhor do Bomfim.

O Caravana da Música também oferece a oficina Diálogos do Brasil: Uma oficina de canto e percussão com a banda Sertanília, atividade gratuita e aberta ao público, como uma oportunidade de troca de experiências com os artistas locais. Para participar os interessados devem escrever email com nome, RG, Idade e atividade profissional para contato@mareproducoesculturais.com.br. As vagas são limitadas.

Em sua segunda edição, o Caravana da Música percorre 10 municípios baianos promovendo a circulação de artistas da música, com apresentações gratuitas em espaços públicos e oficinas. A abertura aconteceu em Vitória da Conquista, sendo Senhor do Bonfim a segunda parada. O projeto ainda vai passar por Juazeiro, Camamu, Ilhéus, Lençóis, Lauro de Freitas, Euclides da Cunha, Cachoeira e Santo Amaro, recebendo apresentações de nomes como Àttooxxá, Africania, Bando Velho Chico, Dão e a Caravana Black, Botequim, Lucas Santtana, Samba Chula de João do Boi e Skanibais.

Interiorização – O Caravana da Música promove a interiorização da música baiana e difusão da produção artística e estima chegar a 10 mil espectadores. Os nomes que compõem a programação foram selecionados por meio de uma chamada pública que contou com 250 inscritos, submetidos à avaliação da curadoria formada pelo jornalista Luciano Matos, os produtores culturais Ivanna Souto e Luizão Pereira. Foram avaliados aspectos como diversidade de gênero entre os inscritos, iniciativas que valorizam o diálogo entre ritmos e difundam a brasilidade com criatividade e a trajetória do artista/ banda, bem como demandas técnicas e logísticas. De acordo com Fernanda Bezerra, diretora da Maré Produções Culturais e idealizadora do projeto, “Caravana da Música é um dos principais projetos, realizados hoje na Bahia, destinados a interiorização da música contemporânea autoral produzida por artistas baianos. A segunda edição chega para amadurecer este projeto que busca promover a ocupação e dinamização cultural do espaço público”.

“O Caravana reflete bem o que tem acontecido no cenário da música baiana, em que existe uma produção rica, que foge de estereótipos e estilos vinculados a uma indústria ou ao momento do carnaval. Nessa edição ficou mais forte a participação dos grupos do interior do estado. Temos uma diversidade grande, mas o desafio de circulação da produção pelo Estado, seja pela dimensão territorial, seja pelos desafios econômicos para cultura. Gostaria que pudéssemos ter mais iniciativas como essa para ver movimentar a riqueza que aqui existe” acrescentou o jornalista Luciano Matos.

Sertanília – Sertanília é um grupo de Salvador (BA) que produz uma música universal, inspirada nas diversas manifestações culturais do sertão: coco, maracatus, sambadas e ternos de reis. Formado em 2010 é composto por Aiace (vocais), Anderson Cunha (violão, bandolim e viola) e Diogo Flórez (percussão) acompanhados pelos músicos João Almy (violão), Ricardo Erick (violoncelo), Mariana Marin (percussão), Raul Pitanga (percussão).

O primeiro disco, intitulado “Ancestral” foi lançado em 2012 e teve apoio do Conexão Vivo e Governo do Estado da Bahia através do Faz Cultura. Buscando resgatar as origens musicais, o cd foi gravado em Salvador no Attitude Audio Criação e no Fábrica Studios em Pernambuco, e conta com participações ilustres de Xangai, Bule-Bule, Terno de Reis do Riacho da Vaca (Caetité) da Bahia, além dos percussionistas pernambucanos Emerson Calado, Nego Henrique e Gilú Amaral. Possui 18 faixas, com 12 músicas autorais e seis regravações, Sertanília mostra uma construção musical rica em elementos da Cultura Popular Brasileira.

O grupo lançou seu segundo disco, intitulado Gratia (Natura Musical), em março de 2017. O álbum conta com 14 faixas, das quais nove são autorais. Com Gratiia, o Sertanília aprofunda sua viagem ao universo do sertão antigo, iniciada em seu primeiro trabalho, Ancestral (2012).

Pautado na tradição da folia de reis do Alto Sertão baiano (sudoeste do estado), manifestação que guarda contornos medievais devido ao isolamento da região, nesse novo disco o grupo mantém sua busca por uma sonoridade que mescla os elementos da tradição com a linguagem da música pop contemporânea. Na intenção de soar atual sem perder a essência da sua proposta, Gratia traz o grupo mais pesado, com a percussão mais presente, lançando mão de camadas de cordas e vocais.

Pequeno Albert – O projeto Pequeno Albert é uma iniciativa cultural com origem em Senhor do Bonfim – BA, mas que hoje está sediado em juazeiro – BA. Carrega a proposta de dialogar com diversos elementos estéticos da música popular brasileira, rock’n’roll e outras perspectivas da cultura pop.  O projeto foi concebido a partir do experimento “Pequeno Albert” que estudou temas relacionados ao condicionamento das emoções. O experimento lança pistas sobre qual ótica interpretativa o eu lírico enxerga as questões tratadas nas letras, utilizando em sua palavra cantada elementos constituintes da cultura popular, abordando temas do comportamento, caminhando entre questões existenciais, crônicas das relações cotidianas, sonoridades limpas e ruídos.

Incentivo  – Segundo o superintendente de Promoção Cultural da SecultBA, a iniciativa valoriza a produção baiana e divulga a nova geração de músicos. “O Fazcultura tem como propósito patrocinar a cultura, viabilizar os novos e também os atores já consagrados no meio cultural local. Os patrocinadores têm a oportunidade de investir em atividades dos mais diversos formatos e tamanhos. É uma grande oportunidade para as empresas ter seus nomes alinhados com produtos e eventos de qualidade”.

Para a Vivo, principal patrocinadora e forte incentivadora da cultura baiana, o projeto Caravana da Música tem relevância ao promover a diversidade musical e a valorização dos talentos locais. “Ficamos muito felizes em participar deste projeto, que promove a diversidade e a democratização da cultura na Bahia”, revela o diretor Regional Nordeste da Vivo, Renato Pontual.

Em 2016, a Vivo aplicou mais de 3,8 milhões de reais em nove diferentes projetos no Estado, que beneficiaram aproximadamente 200 mil pessoas. Neste ano, já foram incentivadas  pela operadora, 12 iniciativas ligadas à música e ao teatro.

FAZCULTURA – Parceria entre a SecultBA e a Secretaria da Fazenda (Sefaz), o mecanismo integra o Sistema Estadual de Fomento à Cultura, composto também pelo Fundo de Cultura da Bahia (FCBA). O objetivo é promover ações de patrocínio cultural por meio de renúncia fiscal, contribuindo para estimular o desenvolvimento cultural da Bahia, ao tempo em que possibilita às empresas patrocinadoras associar sua imagem diretamente às ações culturais que considerem mais adequadas, levando em consideração que esse tipo de patrocínio conta atualmente com um expressivo apoio da opinião pública.

Serviço

Oficina Diálogos do Brasil: Uma oficina de canto e percussão com a banda Sertanília.

Local: Centro Juvenil de Ciência e Cultura

Data: Sexta (27)

Horário: 09h as 12h

Gratuito

*blogdoclebervieira

Você pode Gostar de:

JAGUARARI – Tribunal de Justiça da Bahia determina o retorno imediato do prefeito eleito Everton Rocha

A situação do município de Jaguarari vem chamando atenção de toda a Bahia, não a …