Conecte-se conosco

Noticias do Mundo

Não entro em guerra comercial, Brasil faz negócios com todos, diz Bolsonaro

Publicado

em

© Reuters/UESLEI MARCELINO

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que não vai entrar em guerra comercial, em referência às disputas entre Estados Unidos e China, e destacou que o Brasil não tem restrições de parceiros no comércio internacional.

“Não entro nessa guerra comercial, o Brasil faz comércio com o mundo todo”, disse Bolsonaro, em breve entrevista no Palácio da Alvorada, ao ser questionado sobre críticas de China e Rússia ao que consideram protecionismo dos Estados Unidos.

O presidente disse ainda que a reunião desta semana em Brasília do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, parece um encontro de “velhos amigos”, e destacou, sem dar detalhes: “Boa coisa já está vindo”.

Na véspera, no encerramento do Fórum Empresarial dos Brics, Bolsonaro afirmou que o Brasil está fazendo seu dever de casa para se tornar um mercado cada vez mais atrativo para os investimentos estrangeiros e quer se abrir para o mundo.

(Reportagem de Ricardo Brito)

Continue Lendo
Clique para comentar

Noticias do Mundo

Bolsonaro diz na ONU que ataques sensacionalistas por fogo na Amazônia despertaram sentimento patriótico

Publicado

em

© Reuters/CARLO ALLEGRI

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira, em discurso na Assembleia Geral da ONU, que o seu governo está comprometido com a preservação do meio ambiente e desenvolvimento sustentável e reiterou a soberania do Brasil sobre a Amazônia.

Alvo de críticas e polêmicas devido à política ambiental, Bolsonaro afirmou que ataques sensacionalistas, por grande parte da mídia internacional, devido aos incêndios na Amazônia despertaram um sentimento patriótico no país.

“Agradeço os que não embarcaram nessa posição, especialmente o presidente (dos EUA), Donald Trump”, disse Bolsonaro no discurso na sede da Organização das Nações Unidas, em Nova York.

Bolsonaro afirmou ainda que é uma “falácia” dizer que Amazônia é um patrimônio da humanidade e reclamou, sem citar nominalmente, a reação da França.

“Outro país embarcou em falácia da mídia sobre a Amazônia e nos tratou com desrespeito e espírito colonizador”, disse Bolsonaro, numa referência ao presidente francês, Emmanuel Macron.

Bolsonaro reiterou ainda que o Brasil não vai aumentar para 20% sua área já demarcada de reservas indígenas, sob argumento de que índios não podem ser “latifundiários pobres em cima de terras ricas”.

(Edição de Maria Pia Palermo)

Continue Lendo

Noticias do Mundo

Ex-presidente da Uefa, Platini é preso por suspeita de corrupção envolvendo a Copa de 2022

Publicado

em

Michel Platini na sede do CAS em 2016 — Foto: REUTERS/Pierre Albouy

Ex-presidente da Uefa, Michel Platini foi preso na manhã desta terça-feira (horário europeu), em Nanterre, subúrbio de Paris, para depor por suspeitas de corrupção envolvendo a Copa de 2022. O ex-jogador francês, de 63 anos, é um dos investigados em operação que averigua possíveis irregularidades na escolha do Catar como sede do próximo Mundial. As informações foram publicadas em primeira mão pelo site “MediaPart”.

Essa detenção deve dificultar os planos do francês, atualmente suspenso pelo Comitê de Ética da Fifa, de voltar ao futebol. Platini era declaradamente candidato à sucessão de Joseph Blatter como presidente da Fifa antes de os casos de corrupção estourarem em 2015.

Além de Platini, a operação desta terça também mantém sob custódia a ex-conselheira do ex-presidente Nicolas Sarkozy, Sophie Dion, por “suspeita de atos ativos e passivos de suborno”. Claude Gueant, antigo secretário geral do governo, também foi convocado a depor em condição de “suspeito livre” pelo Escritório Central de Luta contra a Corrupção e Infrações Financeiras e Fiscais (OCLCIFF).

A primeira investigação sobre corrupção e conspiração criminal na escolha do Catar como sede da Copa de 2022 foi aberta pela Promotoria Financeira Nacional (PNF) da França em 2016. Em dezembro de 2017 Platini foi ouvido como testemunha e admitiu que votou no Catar em dezembro de 2010, quando o país foi apontado como sede do Mundial.

Segundo o jornal “Le Monde”, o foco da PNF é um almoço organizado no Palácio do Eliseu, sede do governo francês, em 23 de novembro de 2010. No evento estavam presentes Nicolas Sarkozy, Michel Platini, o Emir do Catar, Tamim Ben Hamad Al Thani, e o então primeiro ministro do emirado, Sheikh Hamad, Bem Jassem.

Platini foi presidente da Uefa de 2007 a 2015, quando foi banido do futebol por oito anos após ser considerado culpado de receber pagamentos indevidos do ex-presidente da Fifa, Joseph Blatter. Após recurso no Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), a punição aplicada pelo Comitê de Ética da Fifa foi reduzida duas vezes até ser definida em quatro anos. Ela se encerrara em outubro deste ano, quando ele poderia voltar a exercer “atividades relacionadas a futebol”.

No início do mês, ele deu uma entrevista coletiva em Paris que foi um ensaio dessa volta à política do esporte. Ele detonou o presidente da Fifa, Gianni Infantino, de quem foi chefe na Uefa durante nove anos.

– Ele não tem credibilidade para ser presidente da Fifa.

Infantino respondeu numa entrevista coletiva dois dias depois, ao ser reeleito presidente da Fifa até 2023.

– O bonito da democracia é que cada um pode falar o que pensa. Mas para participar do mundo do futebol é preciso seguir certas regras, impostas pelo Comitê de Ética da Fifa e pelo Tribunal Arbitral do Esporte.

A Fifa emitiu nota oficial afirmando que não tem maiores detalhes para comentar a prisão de Platini, mas reitera o total comprometimento com as autoridades de qualquer país do mundo onde haja investigações relacionadas ao futebol.

G1

Continue Lendo

Noticias do Mundo

Facebook vai impedir que usuários suspeitos façam transmissão ao vivo na rede social

Publicado

em


Foto: Dado Ruvic/Reuters

O Facebook vai impedir que usuários que violarem regras da plataforma consigam fazer a ferramenta de streaming de vídeo na rede social. A novidade é uma resposta da empresa ao uso da plataforma durante ataques terroristas na Nova Zelândia, transmitidos ao vivo no Facebook.

Em nota divulgada pela empresa, Guy Rose, vice-presidente de Integridade do Facebook, diz que a rede social vai suspender o uso da Live a infratores por um determinado período de tempo já a partir da primeira violação.

“Assim, alguém que compartilhe um link para uma declaração de algum grupo terrorista agora será imediatamente impedido de usar o Live por um determinado período de tempo, por exemplo. Nosso objetivo é minimizar o risco de abuso no Live, ao mesmo tempo em que permitimos que as pessoas usem de maneira positiva todos os dias”, explicou Rose.

A rede social também anunciou que vai investir US$ 7,5 milhões em estudos universitários que possam ajudar a melhorar a tecnologia de análise de imagens e de vídeos. A medida visa melhorar o entendimento do algoritmo da rede social, que falou na identificação de violência durante os atentados na Nova Zelândia.

Três universidades foram contratadas para desenvolver estudos para o Facebook: a Universidade de Maryland, Cornell e a Universidade da Califórnia, em Berkeley. Eles serão responsável por estudar táticas de como detectar mídias modificadas, incluindo imagens, vídeo e áudio, além de distinguir publicações de indivíduos que intencionalmente modificam vídeos e fotos de pessoas que postam inadvertidamente.

“Essas parcerias são apenas uma parte dos nossos esforços – nos próximos meses, buscaremos colaborações adicionais para que todos possamos avançar o mais rápido possível e ficarmos à frente dessa ameaça”, completou o executivo.

Estadão

Continue Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2019 - Criado por PrecisoCriar | www.precisocriar.com.br