Conecte-se conosco

Noticias

Pessoas sem sintomas podem transmitir coronavírus — entenda a confusão envolvendo fala da OMS

Publicado

em

© EPA/SAMUEL CORUM Só é possível diferenciar pessoas assintomáticas de pré-sintomáticas

Uma resposta da epidemiologista Maria Van Kerkhove, da OMS (Organização Mundial da Saúde), em uma coletiva de imprensa gerou confusão nesta semana sobre se pessoas sem sintomas de coronavírus transmitem a doença.

Van Kerkhove, que coordena a resposta da organização à pandemia de covid-19, disse na segunda que era “muito raro” que pessoas realmente assintomáticas transmitissem a doença, o que gerou confusão no público e respostas de epidemiologistas no mundo todo dizendo que a fala foi mal colocada.

Devido à confusão, na terça Van Kerkhove fez uma transmissão ao vivo em que esclareceu a questão: ainda não se sabe qual a porcentagem da transmissão de coronavírus é feito por pessoas assintomáticas.

Há evidências que sugerem que pessoas com sintomas são mais infecciosas, mas a doença pode ser transmitida antes dos sintomas começarem a desenvolver.

Parte da confusão se deu porque a fala inicial de Van Kerkhove não deixou claro a divisão que a comunidade científica e a própria OMS fazem entre as pessoas contaminadas.

Existem três tipos de situações em relação aos sintomas:

  • Pessoas com sintomas – pessoas que têm diagnóstico positivo para o vírus e apresentam sintomas como tosse, febre, falta de ar;
  • Pessoas pré-sintomáticas – pessoas que estão com o vírus e ainda não apresentaram os sintomas, mas nas quais esses sintomas vão aparecer mais para frente;
  • Pessoas assintomáticas – pessoas que estão com o vírus e não apresentam sintomas em nenhum momento da infecção.

Pessoas sem sintomas podem tanto ser pré-sintomáticas (que ainda não desenvolveram sintomas) quanto assintomáticas (que nunca terão sintoma nenhum). Mas essa diferenciação é muito difícil de fazer, porque não há como saber se a pessoa vai desenvolver os sintomas no futuro ou não explica Natália Pasternak, pesquisadora da USP e presidente do Instituto Questão de Ciência.

“Enquanto as pessoas estão doentes, não é possível diferenciar assintomáticos verdadeiros de pré-sintomáticos, é algo que só pode ser feito retroativamente, ou seja, depois que a pessoa já foi curada”, diz Pasternak.

Além disso, segundo a OMS, quando se analisa mais detalhadamente muitos dos relatos de pessoas contaminadas e sem sintomas, percebe-se que na verdade elas tinham alguns sintomas leves que passaram despercebidos.

O quanto cada grupo transmite a doença

As evidências existentes até o momento apontam que pessoas com sintomas são mais transmissíveis. “É claro, porque elas estão tossindo e espirrando”, diz Pasternak.

Mas apontam também que pessoas pré-sintomáticas (ou seja, pessoas sem sintomas mas que vão desenvolvê-los no futuro) têm cargas virais tão altas quanto de quem tem sintomas, e estão sim transmitindo o vírus, explica a bióloga.

Segundo o infectologista Babak Javid, da Universidade Cambridge, há muitas evidências que mostram grandes quantidades de vírus no sistema de pessoas contaminadas poucos dias de elas começarem a ter sintomas, o que as torna capazes de espalhar a infecção nesse período – especialmente no dia anterior ao dia em que os sintomas aparecem.

Quanto às pessoas verdadeiramente assintomáticas (que nunca desenvolverão os sintomas), ainda não existem pesquisas suficientes para afirmar com certeza o quão transmissíveis elas são, segundo esclarecimento da própria OMS na terça.

A OMS faz coletivas diárias para falar sobre o combate à pandemia

© Reuters A OMS faz coletivas diárias para falar sobre o combate à pandemia

O posicionamento oficial da OMS explica que uma revisão sistemática recente da literatura científica mostra que os casos assintomáticos poderiam variar entre 6% e 41% dos casos de contaminação, ou seja, ainda há grande incerteza sobre qual a proporção de casos assintomáticos entre os contaminados.

Além disso, diz a OMS, “a maioria dos estudos incluídos nessas revisão tinham importantes limitações quanto ao relatos dos sintomas, ou não definiram propriamente quais sintomas estavam sendo investigados”.

“Vírus viáveis (que podem contaminar outras pessoas) foram isolados tanto em pessoas pré-sintomáticas quanto em pessoas assintomáticas, o que sugere que pessoas sem sintomas podem, sim, transmitir o vírus para outras”, diz a nota técnica da OMS.

Depois da fala inicial de Van Kerkhove, a OMS esclareceu que ela se referia a pessoas realmente assintomáticas, e não a pessoas pré-sintomáticas. E que o comentário se baseava em algumas observações feitas em países que tiveram um monitoramento intenso de pessoas contaminadas e de seus contatos — Van Kerkhove disse que é ainda uma questão em aberto se isso poderia de fato ser comprovado em estudos científicos mais aprofundados.

É importante manter as medidas de isolamento

Estudos para avaliar o quanto pessoas realmente assintomáticas podem transmitir o vírus são complexos, explica Pasternak.

Eles precisariam acompanhar um grande número de pessoas durante um longo tempo, para conseguir diferenciar quem de fato foi assintomático durante toda a infecção, depois medir sua carga viral e verificar se os vírus são viáveis (ou seja, se não foram desativados pelos anticorpos das pessoas, tornando-os incapazes de contaminar outras).

Somente com estudos como esses, diz a bióloga, vai haver certeza quanto à possibilidade de pessoas assintomáticas transmitirem ou não o vírus.

Mas mesmo quando os estudos forem feitos, diz Pasternak, nada vai mudar quanto à necessidade de medidas de isolamento. Isso porque, na prática, é impossível diferenciar entre pessoas pré-sintomáticas e pessoas verdadeiramente assintomáticas enquanto elas ainda estão doentes.

Ou seja, mesmo que se descobrisse que pessoas assintomáticas não transmitem e o país conseguisse fazer o rastreamento de todos os contaminados, ainda assim seria preciso manter as medidas de isolamento, porque é impossível saber se os indivíduos contaminados e sem sintomas são de fato assintomáticos ou se vão desenvolver sintomas no futuro.

Pessoas podem transmitir o Sars-Cov-2 dias antes de começarem a apresentar sintomas

© Getty Images Pessoas podem transmitir o Sars-Cov-2 dias antes de começarem a apresentar sintomas

A OMS deixou claro que suas orientações quanto à importância das medidas de quarentena e isolamento social continuam as mesmas.

“As incertezas envolvidas enfatizam a importância das medidas de lockdown (fechamento total de todas as atividades não essenciais) para reduzir massivamente o número de pessoas infectadas”, diz o epidemiologista Liam Smeeth, da Universidade de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

“Toda essa confusão foi devido à uma falha na comunicação da OMS, em que a epidemiologista se expressou mal. Muitas vezes os cientistas não têm esse treinamento para falar em público”, diz Pasternak, cujo instituto é focado em divulgação científica.

“Além disso, nada disso é novo. Não foi uma declaração oficial da OMS anunciando algo, foi uma resposta a uma pergunta em que ela se expressou mal quando estava se referindo ao documento da entidade sobre uso de máscaras.”

“O fato de que pessoas com sintomas têm maior chance de transmitir, mas que pessoas sem sintomas transmitem também é puro consenso. Van Kerkhove estava enfatizando a importância de focar o rastreamento nas pessoas com sintomas e em seus contatos”, afirma a bióloga.

“Porque muitos países não têm condições de ficar testando todo mundo e acompanhando. Como os recursos são escassos, é mais importante focar o acompanhamento nos sintomáticos. Não muda nada nas diretrizes sobre isso ou sobre isolamento social.”

*com informações de Rachel Schraer, da BBC News.

Continue Lendo
Clique para comentar

Noticias

Paciente com HIV tem vírus eliminado após tratamento feito por Universidade brasileira

Publicado

em

Um paciente infectado pelo HIV teve o vírus eliminado do organismo após ser submetido a um tratamento realizado em estudo de escala global por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O homem tem 35 anos e teve o diagnóstico em 2012. A pesquisa foi apresentada na terça-feira (07), na 23ª Conferência Internacional de Aids.

O estudo é coordenado pelo diretor do Laboratório de Retrovirologia do Departamento de Medicina da instituição Ricardo Sobhie Diaz e foi inciada com 30 voluntários. Essas pessoas faziam tratamento padrão com coquetéis antirretrovirais e ainda tinham a carga viral do HIV detectável no organismo.

O grupo com melhor resultado recebeu dois retrovirais a mais que os outros, dolutegravir e o maraviroc. O primeiro é uma droga mais forte e o segundo faz com que o vírus saia do estado de latência, semelhante a um esconderijo no organismo, podendo dessa forma ser destruído pelo medicamento.

O paciente que teve o vírus eliminado participou da pesquisa da Unicef e realizou o tratamento por 48 semanas. Após 14 meses, o vírus segue indetectável no organismo.

Apesar do resultado, os pesquisadores afirmam que ainda não é possível falar em cura da doença, mas podem levar à descoberta cura. “Esse caso é extremamente interessante, e eu realmente espero que possa impulsionar mais pesquisas sobre a cura do HIV”, afirmou a médica do Instituto de Saúde da Itália que co-liderou o estudo, Andrea Savarino.

Fonte: VN

Continue Lendo

Filadélfia

Prefeitura de Filadélfia prorrogou medidas e fez algumas alterações no novo decreto nº 045

Publicado

em

Os Estabelecimentos Comerciais Essenciais e Não Essenciais continuarão funcionando da mesma forma, a única alteração, desta semana será o horário de funcionamento, que foi prorrogada para às 18h, de segunda a sexta-feira;

✔️Lanchonetes, Pizzarias, Restaurantes, fornecedores de refeições ou lanches, podem funcionar todos os dias para retirada no balcão e delivery até às 20h.  Das 20h às 22h só podem funcionar através de delivery; Está proibida a entrada e consumação nesses estabelecimentos em qualquer horário.

✔️O funcionamento das farmácias acontecerá de forma normal de segunda a sábado até às 18h, com rodízio de plantão a partir desse horário e aos domingos em sistema de plantão também;

✔️A realização de carga e descarga fica restrita ao período das 6h às 15h, de segunda a sexta-feira.

✔️O horário máximo de funcionamento de igrejas ou templos religiosos passa a ser até às 20h;

✔️O Toque de Recolher será iniciado às 20h a partir de hoje.

Essas foram as principais mudanças no Decreto desta semana.

blogdonettomaravilha

Continue Lendo

Campo Formoso

Tribunal de Justiça dá vitória aos servidores sobre vale alimentação em Campo Formoso

Publicado

em

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Campo Formoso (SINDSEP) obtém vitória judicial no Tribunal de Justiça da Bahia em ação sobre o vale-refeição. O julgamento ocorreu em sessão remota no dia 15 de junho de 2020.

O vale-refeição é um direito previsto no Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos (Lei 02/1997). Dessa forma, o SINDSEP buscou através de inúmeros requerimentos administrativos e reuniões a regulamentação do benefício. Além disso, em meados de 2017 a gestão municipal determinou que os servidores cumprissem sua jornada de trabalho em dois turnos diários. Assim, a categoria passou a fazer jus ao vale-refeição e trabalhou todos esses anos sem receber o pagamento dessa verba indenizatória.

Diante do impasse, o SINDSEP ingressou com ação judicial e em 2019 o pleito foi julgado procedente, sendo determinado que o Município regulamentasse dentro de 60 dias as formas e condições do pagamento do vale-refeição. Na decisão, a Magistrada aponta que “o Município não pode deixar de pagar o vale-refeição aos servidores no período postulado (…) uma vez que já dispôs de quase 22 anos para regulamentar a matéria, não se mostrando razoável que o servidor municipal cumpra com seu dever de prestar 8 horas de trabalho diariamente sem receber o vale-refeição”.

Após a vitória judicial do SINDSEP, a gestão municipal apresentou apelação perante o TJ-BA. Entretanto, os desembargadores rejeitaram por unanimidade o recurso, acompanhando o entendimento assentado em primeira instância.

Para a presidente do SINDSEP, Maria Aparecida, “…essa foi uma vitória expressiva e muito aguardada! Não podemos deixar de agradecer a ex-presidente, Marivalda Nascimento, que lutou desde o início para chegarmos nesse resultado”. Já, o assessor jurídico do SINDSEP, Lúcio Sá, complementou “…o próximo passo será ingressar com uma ação judicial de cobrança referente às verbas indenizatórias do vale-refeição, as quais não foram pagas pela gestão municipal entre 2017 a 2020. Nesse período os servidores cumpriram com seu dever de trabalhar 2 turnos diários, fizeram jus ao benefício, mas não houve a devida contraprestação”.

Campo Formoso, 08 de Julho de 2020.

Ascom/SINDSEP

Continue Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2019 - Criado por PrecisoCriar | www.precisocriar.com.br