Conecte-se conosco

Noticias do Mundo

Tragédia interrompe sonho de filha de Kobe Bryant no basquete

Publicado

em

Foto: Reprodução / Instagram

Não eram apenas os laços familiares que uniam Kobe Bryant, 41, e sua filha Gianna, 13, ambos mortos após acidente de helicóptero neste domingo (26). O amor pelo basquete também era compartilhado por eles.

Entre os milhões que admiravam o ex-jogador do Los Angeles Lakers, uma fã em especial teve o que tantos gostariam de ter: um treinamento de elite com um dos maiores atletas da história.

Gigi Bryant era constantemente filmada com o pai na primeira fileira do ginásio Staples Center ou jogando bola em alguma quadra, quando tinha o privilégio de ouvir a leitura do seu jogo diretamente de Kobe. Quando era criança e o pai ainda estava em atividade na NBA, ela acompanhava o mentor e até participava do aquecimento da equipe junto de sua irmã mais velha.

Kobe deixa três filhas: uma de 17 anos, uma de 3 e uma nascida em junho do ano passado.

O sonho da menina era ser jogadora da WNBA -a liga norte-americana de basquete feminino. Para ajudá-la nisso, mesmo após se aposentar, em 2016, ele se manteve próximo das quadras treinando as filhas, em especial Gigi.

Promissora, a garota atraiu os holofotes com jogadas plásticas que aprendeu com o pai. Analistas destacaram a semelhança do seu “fadeaway” -arremesso convertido com o jogador projetando o corpo para trás- com o do astro, uma de suas assinaturas de jogo.

Ela tinha herdado também a facilidade para o drible e as jogadas plásticas, como o giro com a bola antes de partir para a cesta.

A menina pretendia jogar pela UConn, dinastia dos esportes universitários. Kobe era amigo do técnico da equipe feminina, Geno Auriemma, e constantemente levava a família para assistir às partidas.

A viagem de helicóptero em que estavam pai e filha neste domingo era programa corriqueiro dos dois. Fã de Trae Young, do Atlanta Hawks, e Luka Doncic, do Dallas Mavericks, ambos em seu segundo ano na NBA e já selecionados para o All-Star Game, Gigi adorava ver jogos de basquete nos ginásios.

Foi ela quem convenceu Kobe a voltar a assistir às partidas depois que ele deixou as quadras. O “Black Mamba”, apelido do ex-jogador, passou também a treinar o time de basquete da escola de Gigi. A adolescente treinava ainda pela Mamba Sports Academy, aberta há pouco mais de um ano com o apoio do pai para capacitar jovens atletas.

Com personalidade própria, ela não optou pelas camisas 8 ou 24, que ficaram marcadas na trajetória de Kobe. O número escolhido por Gigi foi o 2.

A menina ganhou um apelido em homenagem a ele: “mambacita”, em referência à “mamba mentality”, filosofia pregada por Kobe que pregava a vontade de sempre aprimorar seu próprio trabalho, independentemente das condições.

Em uma entrevista para a revista americana The New Yorker, ele destacou o momento em que percebeu que a menina havia puxado seu gênio: “Ela tinha três anos, estávamos jogando candyland e eu ganhei. Ela não reagiu bem, virando o tabuleiro. Foi quando eu pensei: a criança é igualzinha a mim!”.

Era comum que o pai, orgulhoso, postasse fotos da jovem treinando -até de salto alto– ou conhecendo algum jogador ou jogadora que admirava.

As quatro filhas fizeram com que ele se tornasse uma voz ativa pela valorização das atletas da WNBA, vestindo um moletom da liga e defendendo a equiparação dos direitos da jogadoras em relação aos dos homens da NBA.

Kobe confiava piamente na habilidade de Gianna. Quando a estrela, pai de quatro meninas, era questionada sobre a possibilidade querer um garoto na família para passar suas habilidades com a bola laranja, prontamente respondia: “Eu já tenho uma filha que pode carregar o meu legado”.

BN

Noticias do Mundo

Coronavírus custou entre 15 e 22 bilhões de dólares a Shell

Publicado

em

© BEN STANSALL

A gigante do petróleo Royal Dutch Shell anunciou nesta terça-feira que seus ativos registraram uma depreciação de entre 15 e 22 bilhões de dólares no segundo trimestre, consequência do impacto da pandemia de coronavírus na demanda e nos preços dos combustíveis.

“No segundo trimestre, a Shell revisou suas perspectivas de valores a médio e longo prazo e suas perspectivas de margens para refletir o impacto da pandemia de COVID-19”, explica a empresa em um comunicado. 

O grupo acrescenta que reavaliou seus ativos tangíveis e intangíveis e registrará “gastos de depreciação de 15 a 22 bilhões de dólares após impostos no segundo trimestre”.

A empresa aposta em um barril de petróleo a 35 dólares este ano, um preço que não permite geralmente aos grandes grupos de petróleo gerar lucros. A Shell prevê um barril a 40 dólares no próximo ano e 50 dólares em 2022.

As cotações do petróleo começaram 2020 ao redor dos 60 dólares, antes de uma queda expressiva em março e abril.

No primeiro trimestre, a Royal Dutch Shell entrou no vermelho devido à queda dos preços do petróleo, o que levou a empresa a reduzir seus dividendos pela primeira vez desde os anos 1940.

AFP

Continue Lendo

Noticias do Mundo

OMS atualizará orientações após “grande notícia” sobre remédio contra Covid-19

Publicado

em

© Reuters/YVES HERMAN

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que se prepara para atualizar suas orientações sobre o tratamento de pessoas com Covid-19 em reação aos resultados de um teste clínico que mostrou que um esteroide barato e comum pode ajudar a salvar pacientes gravemente doentes.

Resultados de testes anunciados na terça-feira mostraram que a dexametasona, usada desde os anos 1960 para diminuir inflamações de outras doenças, como artrite, reduziu em cerca de um terço as taxas de mortalidade entre pacientes de Covid-19 gravemente doentes e hospitalizados.

A orientação clínica da OMS para o tratamento de pacientes infectados com o novo coronavírus se dirige a médicos e outros profissionais de saúde e almeja usar os dados mais recentes para informar os clínicos gerais sobre a melhor maneira de combater todas as fases da doença, da verificação à alta hospitalar.

Embora os resultados do estudo sobre a dexametasona sejam preliminares, os pesquisadores por trás do projeto disseram que leva a crer que o remédio deveria se tornar um recurso padrão no cuidado de pacientes com casos graves imediatamente.

Em pacientes de Covid-19 com uso de ventiladores, ficou demonstrado que o tratamento reduz a mortalidade em cerca de um terço, e para pacientes que só precisam de oxigênio a mortalidade foi reduzida em cerca de um quinto, de acordo com dados preliminares compartilhados com a OMS.

O benefício só foi visto em pacientes de Covid-19 gravemente doentes e não foi observado em pacientes com uma doença mais amena.

A boa notícia chega no momento em que infecções de coronavírus se aceleraram em alguns locais, como os Estados Unidos, e em que Pequim cancelou dezenas de voos para ajudar a conter um novo surto na capital chinesa.

“Este é o primeiro tratamento em que se mostrou reduzir a mortalidade em pacientes com Covid-19 que precisam de oxigênio ou do auxílio de ventilador”, disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em um comunicado emitido na noite de terça-feira. A agência disse que aguarda a análise dos dados completos do estudo nos próximos dias.

“A OMS coordenará uma meta-análise para aprimorar nosso conhecimento geral desta intervenção. A orientação clínica da OMS será atualizada para refletir como e quando o remédio deve ser usado para Covid-19”, acrescentou a agência.

Mas a principal autoridade de saúde da Coreia do Sul alertou para o abuso do medicamento em pacientes de Covid-19.

“(Ele) já é usado há tempos em hospitais sul-coreanos para pacientes com diversas inflamações”, disse Jeong Eun-kyeong, chefe do Centro para Controle e Prevenção de Doenças da Coreia (KCDC). “Mas alguns especialistas alertam que o remédio não só reduz a reação inflamatória nos pacientes, mas também o sistema imunológico, e pode desencadear efeitos colaterais. O KCDC está debatendo seu uso em pacientes com Covid-19.”

Reuters

Continue Lendo

Noticias do Mundo

Situação “extremamente grave” de surto de Covid-19 em Pequim soa como advertência para Europa

Publicado

em

© AP – Mark Schiefelbein

As autoridades de Pequim diagnosticaram 27 novos casos de infecção por coronavírus nas últimas 24 horas, elevando para 106 o número de pessoas com a Covid-19 em cinco dias. A situação da epidemia em Pequim é “extremamente grave”, disse o porta-voz do prefeito nesta terça-feira (16), depois que centenas de pessoas foram infectadas desde a semana passada, na capital chinesa.

Pequim está “correndo contra o relógio” diante do novo coronavírus, disse o porta-voz do prefeito, Xu Hejian, à imprensa. A cidade de 21 milhões de habitantes intensificou os esforços contra a Covid-19 e atualmente tem capacidade para realizar mais de 90.000 testes de diagnóstico por dia.

Esse surto epidêmico despertou o medo de uma “segunda onda” da pandemia. A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou na segunda-feira (15) que estava acompanhando a situação em Pequim “de muito perto” e mencionou o possível envio de mais especialistas nos próximos dias.

O surto começou no gigantesco mercado atacadista de Xinfadi, um dos maiores da Ásia, onde o vírus foi detectado na semana passada. Desde então, outros quatro mercados da capital foram fechados total ou parcialmente e cerca de trinta áreas residenciais foram colocadas em quarentena. Os alunos do ensino fundamental e do primeiro ciclo do ensino médio podem retomar as aulas em casa.

O recrudescimento de casos da Covid-19 na China é acompanhado com atenção pelas autoridades europeias. O espaço Schengen de livre circulação, que inclui 22 países do bloco, acaba de reabrir suas fronteiras internas, para tentar salvar a temporada turística do verão. A França reabriu ontem seus bares e restaurantes, depois de constatar um recuo constante da epidemia desde meados de maio. “O pior ficou para trás”, declarou nesta segunda-feira (15) o ministro francês da Saúde, Olivier Verán.

A maior parte dos países europeus elaborou planos para confinar novamente as populações, caso surjam surtos localizados de coronavírus. Uma segunda onda da pandemia seria catastrófica para a economia europeia, que enfrenta a pior recessão de sua história.

RFI

Continue Lendo

Mais Lidas

Copyright © 2019 - Criado por PrecisoCriar | www.precisocriar.com.br